X

Cozinha ritualística

Cozinha ritualística
Também conhecida como "Cozinha de Santo", tradição e sabor.

Por: Alexandre Falasco

Todo terreiro que se preze, seja de Umbanda ou de Nação, tem a sua cozinha de Santo. Não necessariamente um espaço físico, mas quando se diz "uma cozinha de Santo", é o respeito e conhecimento desta deliciosa tradição.

Uma pessoa deve ser a responsável por esta "cozinha", uma Iyabassê, que conhece as preferências dos Orixás e sabe dos preceitos sagrados para o preparo das comidas.

A maioria dos Orixás foram Reis, em tempos imemoriais, e, portanto, a forma de servir a comida deve observar toda a pompa e a realeza que o assunto exige, além, é claro, de conhecer certas proibições, chamadas de "quizila", "ewó" ou "interdito", que nada mais é do que alguns alimentos ou temperos que determinado Orixá não gosta ou faz alusão a alguma passagem negativa em suas histórias (os Itãs).

Para dar um exemplo, Oxalá não aceita sal nem bebidas alcoólicas em suas oferendas, Ibeji gosta de alimentos doces, Obaluayê gosta de dendê, mas não de Sal, Nanã não aceita que seus alimentos sejam cortados com faca (veja a importância de saber preparar da forma correta para cada Orixá!).

Todo este ambiente mágico, regado a fortes e irresistíveis temperos, resultam numa das maiores riquezas culturais da Umbanda, do povo-de-santo, que com certeza influenciou e influencia a culinária brasileira. E pode ser aprendido, pode e deve, pois, saber servir corretamente seu Orixá é saber agradar a um Pai/Mãe que muito te ama.

 

Continue lendo nossos artigos e matérias.

E Mavile Mavango!

Pontos cantados do Padê do Barracão.

Ofò - Encantando as ervas!

Para o povo Iorubá , o poder mágico das ervas só é possível se as mesmas forem acompanhadas de palavras que as encantem, o Ofò.

Olubajé 2019 no Barracão

Tradicional passagem de Obaluaê na casa de Pai José emociona centenas de participantes.

© Copyright 2010 Giras de Umbanda - Todos os direitos reservados