X

A gira de Pretos-Velhos

A gira de Pretos-Velhos
Os vovôs e vovós, símbolos de nossa Umbanda.

Toda a magia Africana, dos cultos de nação do Candomblé que trouxe a devoção aos Orixás em território brasileiro, teve como veículo os negros escravos de tempos antigos, nossos ancestrais que não estão mais entre nós como encarnados, mas encontraram na Umbanda um caminho para continuarem suas missões como entidades que muita sabedoria nos tem a oferecer.

"Adorei as almas!" - Assim, com estas palavras, os Umbandistas recebem os Pretos-Velhos, Vovôs e Vovós como carinhosamente são chamadas estas entidades africanas responsáveis por agregar algumas das práticas candomblecistas a nossa heterogênea religião de Umbanda. Com certeza, todo o carisma da Umbanda devemos a estas entidades, verdadeiros símbolos de nossa religião, uma das giras mais populares.

Os Pretos-Velhos cativam pela humildade, pela paciência e pelo amor de um avô para com os filhos de Umbanda que encontram nestes espíritos evoluídos o bálsamo necessário para continuarem em sua luta, a luta contra o preconceito, um preconceito que eles conheceram muito bem - e que existe até hoje, infelizmente.

Para aproveitar os ensinamentos de um Preto-Velho, basta sentar-se diante dele, sem necessidade de nada nas mãos, mas com o coração aberto e com a consciência de que na sua frente se encontra um mestre entre dois mundos. Sábio pela vivência e pela vida pós-terra. Mas, se ainda assim quiser agradá-lo, um copo de garapa ou café preto são suas bebidas preferidas, às vezes acompanhada de um marafo, que outrora foi seu único consolo nas infinitas noites em que tentavam dormir ouvindo os gritos de seus familiares que enfrentavam os troncos e chicotes incansáveis. Para comer, um bolo de fubá, um torresmo ou uma feijoada, caso seja dia de festa.

Mas garanto: Trocam tudo isso por um "Muito obrigado, meu pai!". Estes espíritos se manifestam como pessoas idosas. Vêm encurvados, mal conseguem andar. Trabalham sentados em troncos e apoiam-se em suas bengalas feitas de galhos de árvores ou plantas que se utilizam das folhas. Arruda, guiné, manjericão, folhas para suas mirongas poderosíssimas.

Um cachimbo, um chapéu de palha, uma roupa branca, um terço de rosário, dois pés no chão, 1.000 anos de experiência. 1.000 outras almas salvas por eles.

 

Continue lendo nossos artigos e matérias.

E Mavile Mavango!

Pontos cantados do Padê do Barracão.

Lives do Axé

Uma forma de estar junto, mesmo de longe.

Terreiro fechado?

Orientações do Barracão para esse período de quarentena por conta do Covid-19

© Copyright 2010 Giras de Umbanda - Todos os direitos reservados